Juventudes, políticas, educação e inclusão: um diálogo sobre jovens e cultura digital - Biblioteca Viva
 

Blog

Juventudes, políticas, educação e inclusão: um diálogo sobre jovens e cultura digital

A mesa-redonda Juventudes e cultura digital reuniu nomes de peso na manhã do dia 5 de julho para contribuir com os debates em torno das juventudes contemporâneas. Mediado pela coordenadora do Ibeac e co-gestora da LiteraSampa, Bel Santos Mayer, Delfina Lázaro Mateus (Moçambique/Universidade Eduardo Mondlane), Paulo Cesar Rodrigues Carrano (UFF) e Regina Novaes (UNIRIO) abordaram temas fundamentais que estão em evidência no campo da pesquisa na área de Juventudes, apresentando pistas para as discussões de como elEs se inserem no cenário das políticas públicas, movimentos sociais, religião, cultura, cidadania, violência e como a  cultura digital e as tecnologias se estabelecem neste contexto.

Para Paulo Carrano, do Observatório Jovem do Rio de Janeiro/UFF, a pandemia intensificou o agravamento da questão social, em especial, na ampliação do quadro de precariedade do trabalho e acesso à educação escolar para jovens. Mas foi também oportunidade para a constituição de redes de solidariedade e ajuda mútua, notadamente naqueles territórios da pobreza onde o poder público se omitiu ou demorou a agir para minorar os problemas sociais agravados pela pandemia e as medidas de isolamento social que produziram impactos profundos na economia em comunidades populares com precárias redes sociais de proteção. “Em grande medida, essas redes de solidariedade foram criadas e fortalecidas nisso que estamos chamando aqui de ‘Cultura Digital’.”, ressaltou Carrano.

Ao trazer reflexões sobre o nosso momento social, cultural e político como um preâmbulo que possa inspirar o diálogo sobre as juventudes e as culturas digitais num registro ampliado e para além do recorrente caminho que faz com que a preocupação com a técnica se sobreponha à política, Carrano comentou: “O momento é grave, a técnica, digital ou não, pode nos ajudar, mas não sairemos do atoleiro sem a produção de esferas públicas democráticas conflitivas e reflexivas. E penso que isso é desafio para quem encontra-se envolvido com os aparelhos culturais públicos.”.

“Ao se elaborar políticas públicas em diálogo com jovens avançamos na construção de redes de proteção para os mais vulneráveis e na criação de espaços públicos participativos de encontro e diálogo. É nesta perspectiva que encaro este nosso momento de diálogo neste 13º Seminário Internacional Biblioteca Viva.”

(Paulo Cesar Rodrigues Carrano (UFF)

Neste contexto, para a moçambicana Delfina Lázaro Mateus - mestre em bibliotecas e serviços de informação digital e doutoranda em Arquivos, Bibliotecas e Documentação no Entrono Digital na Universidad Carlos III de Madrid -, enquanto algumas nações ou grupos sociais experimentam um desenvolvimento progressivo, outros continuam, mesmo com a globalização da tecnologia a registar um conjunto de deficiências, que hoje também se refletem no contexto digital, ou mesmo na possibilidade de acesso à tecnologia. “Esta escassez a nível global e local é designada lacuna digital, porque alguns grupos excluídos, neste caso jovens e adolescentes, não conseguem aceder a grande parte da informação conectada por recursos tecnológicos devido a questões sociais, políticas, económicas e culturais.”, afirmou Delfina.

Ela acredita que falar de acessibilidades e da inclusão dos jovens no ambiente digital implica pensar em questões de políticas pessoais, psicológicas, económicas, sociais e culturais que contribuem para a exclusão, e depois pensar em medidas e ações que podem ser tomadas a estes níveis para garantir que os jovens possam utilizar o potencial oferecido pelas tecnologias para o seu desenvolvimento.

A antropóloga Regina Novaes, uma das mais importantes pesquisadoras brasileiras das Juventudes na atualidade, discorreu sobre sua ampla pesquisa e experiência no campo das juventudes a partir de múltiplas perspectivas, sobretudo sobre as políticas públicas para juventude em âmbito nacional. Segundo a pesquisadora, para pensar a juventude brasileira hoje é preciso levar em conta as contradições, as desigualdades e as diferenças presentes na sociedade brasileira. E, ao mesmo tempo, pensar de que maneira e intensidade as transformações sociais em curso atingem particularmente os jovens. Ou seja, educação de qualidade, inserção no mundo do trabalho, segurança.

Para ela, práticas digitais expressam modos de pensar e agir existentes na sociedade em que vivem os jovens. “Por um lado, a internet serve para exacerbar o consumismo e o individualismo, bem como servem para potencializar preconceitos preexistentes (de gênero, de orientação sexual, de raça e etnia, de local de moradia.”, observou a professora. Sobre o futuro, Regina acredita que deva ser ‘promissor’ e que o momento ainda é de muito questionamento acerca das tecnologias e pesquisas. 

Regina Novaes é graduada em Ciências Sociais e mestra em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ e doutora em Ciências Humanas pela Universidade de São Paulo - USP. Entre 2010 e 2016 realizou pesquisas e atuou em consultorias sobre políticas públicas de juventude em Convênios entre a Secretaria Nacional de Juventude e Unesco, trabalhando em colaboração com grupos de pesquisa da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UniRio e da Universidade Federal da Bahia - UFBA. Atualmente é professora visitante da UniRio.

 

 

 

 

Governo do Estado de SP