/ governosp
“A dor da pandemia me fez criar”, diz a poeta Cida Pedrosa, na abertura do 12º Seminário Internacional Biblioteca Viva - Biblioteca Viva
 

Blog

“A dor da pandemia me fez criar”, diz a poeta Cida Pedrosa, na abertura do 12º Seminário Internacional Biblioteca Viva

Reflexões sensíveis sobre o momento atual, como a dor trazida pela pandemia, a literatura de mulheres e negros, o machismo na Literatura e a falta de políticas públicas voltadas à cultura. Foram temas como esses, tantas vezes negligenciados no País, que nortearam a primeira mesa-redonda “Encontro com escritores: conversas sobre leituras, literaturas e bibliotecas”, que reuniu a poeta pernambucana Cida Pedrosa num bate-papo com a jornalista e escritora Bianca Santana.

O encontro abriu, nesta segunda-feira, 2 de agosto, o 12º Seminário Internacional Biblioteca Viva – Bibliotecas para todos nós, para hoje e para o futuro.  Por motivos de falta de conexão, a participação de Ailton Krenak, prevista para esta primeira mesa, foi adiada.  Em breve, será divulgado um vídeo sobre o tema, que o líder indígena prepara especialmente para os participantes do Seminário. 

 “Livro é alimento para construção de novas possibilidades.”

Criar é a resposta mínima de Cida para tanta dor, pelo impacto de 550 mil mortos no País. Foi justamente no difícil ano de 2020, com os aprendizados e dores impostos pela pandemia do novo coronavírus, que Cida comemorou duas grandes conquistas: foi eleita para o seu primeiro mandato como vereadora na Câmara Municipal do Recife, e seu livro Solo para Vialejo, o nono de sua autoria, foi vencedor do mais importante prêmio nacional da literatura brasileira, o Jabuti.  Foi também em 2020 que escreveu um livro de poemas e fotografias que registram um momento singular de uma Recife vazia, dando forma à Estesia, seu décimo livro. “Estesia significa sentimento, é um momento de muito sentir, de perdas, mas também traz o belo, a contradição, como o canto dos pássaros, com a cidade sem pessoas.”, diz a autora.

 “Biblioteca é, antes de tudo, construção de pessoas.”

Presença literária na Câmara Municipal de Recife, Cida continua sua longa história de militância política, sempre de mãos dadas com a poesia, lutando em prol da construção de políticas públicas para o município voltadas para a leitura, literatura e bibliotecas. Formada na Faculdade de Direito do Recife, encontrou espaços para defender suas causas – alguns deles no Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Diocese de Palmares e no Sindicato dos Trabalhadores Rurais e na Federação dos Trabalhadores na Agricultura em Pernambuco. Para a autora, “advogar é um exercício de luta”. “Bibliotecas, centros comunitários, espaços de leitura, nos dão uma esperança enorme que, apesar do terror que nós vivemos hoje no Brasil, existem para nos dar possibilidades. Por isso, precisam ser fortalecidos, com apoio permanente.”, conclui a poeta pernambucana.

O seminário é parte integrante de um conjunto de ações do SisEB, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, coordenadas pela Unidade de Difusão Cultural, Bibliotecas e Leitura, gerenciadas e executadas pela SP Leituras. Com o apoio institucional da FEBAB, FESPSP, Instituto Cultura Etc, Rede Beija-flor de Pequenas Bibliotecas Vivas de Santo André, Piracaia na Leitura e Rede LEQT, a iniciativa resulta de parceria com o Goethe-Institut São Paulo.  Neste ano, o evento, que prevê 7 mesas virtuais uma sessão de pôsteres e uma sessão de painéis, até dia 6 de agosto, realiza-se em formato totalmente virtual, em função do enfrentamento da Covid-19, e tem transmissão ao vivo no canal do SisEB no YouTube.

Assista o bate-papo na íntegra pelo canal do YouTube doSisEB.