/ governosp

O curso “A Arte da Fala: sobre silêncios, escutas e dizeres” teve seu primeiro dia de atividades em 16 de março, ultrapassando os 110 participantes (de 15 Estados e mais de 90 municípios). Giuliano Tierno abriu o encontro com a fusão de dois textos emblemáticos sobre verdade e sabedoria, extraídos das obras “O violino cigano: e outros contos de mulheres sábias”, de Regina Machado, e “As Mil e uma Noites”, de Júlio César de Mello e Souza (conhecido como Malba Tahan).

Tierno tratou do descuido contemporâneo com a palavra pública e com os elementos que nos unem ou nos afastam nesse campo. Segundo ele, a gênese do curso deu-se exatamente no início da pandemia, quando ele, que é doutor e mestre em Arte e Educação pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista, identificou uma transformação relevante na comunicação em geral. Segundo Tierno, chamou a atenção o acento na agressividade contido nessa “fala” de muitos e do resultante distanciamento entre as pessoas, além de uma evidente divisão (e oposição) violenta de ideias, em vários casos.

Professor do curso de pós-graduação lato sensu  Narração artística: caminhos para contar histórias em contexto urbano, ele apresentou referências em texto do filósofo alemão Walter Benjamin para destacar o papel do narrador em todo esse processo de comunicar. Tierno citou, do livro “O Narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”, de 1936, a seguinte frase: “O narrador é a figura na qual o justo se encontra consigo mesmo”. Um protagonismo, que, diz ainda, inclui a responsabilidade do comunicador e também a difícil tarefa dessa avaliação interna, do olhar para si mesmo antes do dizer.

Sócio-fundador d´A Casa Tombada, Tierno também destacou a necessidade de escutar “mais devagar”, a importância do tempo dado ao olhar atenta e demoradamente ao que o outro diz, evitando juízos e opiniões. E reconheceu que há certa confusão inerente ao momento (este, da pandemia, de isolamento e de distanciamento), citando inclusive a “Teoria da complexidade”, de Edgar Morin, quando ressaltou que estamos todos nos sentindo perdidos em diversas situações.

As reflexões sobre a arte da fala prosseguiram em 18 de março. Confira a seguir a galeria de imagens do primeiro encontro, que contou com a tradução em Libras de Daniel Dalmati e de Guilherme Serpa, além de rápida apresentação da nossa nova plataforma de doação de kits de livros, conduzida por Giovanna Carvalho Sant´Anna, gerente de Programas e Projetos do SisEB. E também do segundo, ao final. Em breve, a íntegra dessa capacitação estará disponível em nosso canal do YouTube.

Ouvidoria Transparência SIC