Viagem Literária 2022: o privilégio de voltar às ruas para brincar - Viagem Literária

Blog

Viagem Literária 2022: o privilégio de voltar às ruas para brincar

Carmem Portilho

Brincar é preciso? Sim, para Fernanda Munhão, brincar é mais do que necessário para a vida de todo mundo. “Quando eu era pequena brincava de casinha, de roda, de amarelinha. Eram muitas brincadeiras!”, lembra. Bons tempos antes da chegada dos celulares, em que subir em árvores sempre foi algo tranquilo e corriqueiro na vida de quem nasceu e morou em uma cidade pequena.

Não é por acaso que a contadora de histórias e escritora de literatura infantil, que cresceu na cidade de Ourinhos, município brasileiro no interior do estado de São Paulo, localizado a oeste da capital, chega à 14ª edição do programa Viagem Literária – módulo Contação de Histórias: Jogos e Brincadeiras percorrendo, entre os dias 8 e 11 de agosto, quatro cidades do interior de São Paulo – Rosana, Dracena, Presidente Prudente e Regente Feijó. É onde se sente em casa! “O programa Viagem Literária é importantíssimo para levar este ‘brincar’ a localidades mais distantes da capital, o que garante maior acesso da população em geral à cultura.”, comenta Fernanda.

Da junção do seu trabalho como autora de livros para a infância com a sua atuação como professora durante quase duas décadas em sala e aula, Fernanda traz na bagagem a sabedoria, emoção e inspiração de mais de 10 anos de experiência em contação de histórias, aliando o lúdico ao antigo costume popular de contar histórias. “Brincar com as palavras é fantástico! O lúdico contribui para a aprendizagem, para a compreensão da vida e para trabalhar nossas possibilidades.”, afirma.

Para começar, o encontro da então menina Fernanda com a Literatura chegou cedo. Desde pequena, assim que aprendeu a ler e escrever, registrava em um caderno vários poemas e histórias. Um bom início para, mais tarde, a partir de 2013, consolidar sua produção literária junto ao público e mercado editorial.

Como autora, escreveu os livros Segredinhos da Vó, uma história autoral que trata de suas memórias de infância com a sua avó; Mila, a história de uma menina (meio moleca) que tenta aprender a lidar com seus sentimentos, como o amor, ódio, medo, afeto e tantos outros, das formas mais imprevisíveis, e Hoje e Amanhã, o livro brinquedo com ilustrações de Fernanda Ozilak.

Como contadora de histórias, começou em 2011 e, hoje, é professora de pós-graduação na arte de contar histórias e uma das patronas da Academia Brasileira de Contadores de Histórias. Além de atuar em todo o país, ela já participou como convidada dos festivais de narração oral em Portugal e Argentina.

Fernanda Munhão é graduada em Jornalismo, Letras, Pedagogia e especialista em Literatura e contação de histórias, ensino e uso estratégico das tecnologias em informação. Também é mestre em Literatura pela UNESP (Assis).

 

Governo do Estado de SP