A força do diálogo - Viagem Literária

A força do diálogo

Um dos elementos cruciais na construção de personagens é a habilidade de criar diálogos autênticos e significativos. Uma simples conversa é capaz de fazer o leitor entrar na alma do protagonista, conhecer sua personalidade, seus conflitos internos, seus saberes e suas vivências. A dica é da escritora e professora de escrita criativa Vanessa Passos, que ministrou a oficina Lendo Autoras Vivas, nas bibliotecas das cidades de Pereira Barreto, Ilha Solteira, Santa Fé do Sul e Fernandópolis, entre os dias 18 e 21 de julho.

 

O bate-papo virtual começou com a leitura do diálogo de abertura do livro Solitária, de Eliana Alves Cruz, vencedor do Prêmio Jabuti (2022).  

– Mãe... a senhora precisa se libertar dessas pessoas... A senhora não deve nada a elas, pelo contrário. Mãe... Sou eu, a Mabel, sua filha. Não tenha medo de encarar esse povo que nunca limpou a própria privada!


Poucas linhas entregam várias dicas sobre as personagens, sem dizer exatamente o que elas são. “De forma sucinta e com o uso de metáforas, a escritora conseguiu nos mostrar várias coisas sobre as protagonistas, como relacionamento pessoal, profissão, condição social e personalidades”, explica Vanessa.  

 

Os personagens também podem falar por meio de gestos. Uma pessoa cabisbaixa transmite a ideia de timidez, fraqueza; mãos trêmulas significam tensão, medo, nervosismo; andar rápido, urgência, pressa, ansiedade. “Mostrar é sempre mais importante do que dizer. Isso faz com que o leitor visualize a cena como se estivesse assistindo uma série”, conta a escritora. Cuidado apenas para não deixar tudo explícito. “O escritor Raphael Montes, autor de Dias perfeitos, sempre diz que a primeira ideia que vem à cabeça é a mais óbvia. Melhor ficar com a segunda opção.”

 

Para fugir dos bloqueios da escrita, momento batizado por Vanessa como a maldição da trigésima página, é fundamental fazer um planejamento da história. “A escrita nem sempre precisa ser linear. Em A filha primitiva, por exemplo, eu escrevi o fim do livro quando estava ainda na metade do texto.” Outra transgressão permitida é em relação às regras gramaticais e o uso de linguagem coloquial. “Na literatura você não precisa ficar preso na gramática. Em um determinado momento de Não fossem as sílabas do sábado, da Mariana Salomão Carrera, ela some as com vírgulas justamente para passar a ideia de ritmo. A poesia usa muito essa estratégia”, comenta Vanessa.

 

No fim do bate-papo, os participantes foram convidados a criar um diálogo como exercício para a construção de personagens. Quem quiser receber mais dicas de escrita criativa, é só visitar o canal no YouTube da escritora com vários vídeos sobre o assunto.

 

Vanessa Passos é doutora em Literatura e pós-doutora em Escrita Criativa sob orientação de Luiz Antonio de Assis Brasil. Seu romance A filha primitiva foi vencedor do Prêmio Kindle de Literatura em 2021 e do Prêmio Jacarandá em 2002. É colunista do jornal O Povo e do site PublishNews.

 

 

 

 

Blog

Fique por dentro de tudo o que acontece nos três módulos do Viagem Literária!

Vem aí mais uma edição do Viagem Literária!

Vem aí mais uma edição do Viagem Literária!

Prepare-se para embarcar na 16ª edição do Viagem Literária! Em 2024, o programa vai levar os participantes a uma jornada encantadora pelo mundo dos livros, onde histórias ganham vida e a imaginação voa sem limites.Em torno de atividades voltadas à poesia do cordel e o Prêmio São Paulo de Literatura, neste ano, 335 novas iniciativas lideradas por 42 figuras inspiradoras serão apresentadas em turnê por 67 bibliotecas de 66 municípios paulistas, em uma iniciativa da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo.Enquanto arruma as malas para partir para esta grande jornada pelo universo da literatura, livros, contação de histórias, bibliotecas, encontros com escritores e muito mais, entre no clima da viagem!De agosto a outubro deste ano, acontecerão três módulos: Contação de Histórias: Literatura de Cordel (6 a 30 de agosto), Clubes de Leitura: Prêmio São Paulo de Literatura (2 a 27 de setembro) e Encontros com Escritores: Prêmio São Paulo de Literatura (1º a 25 de outubro).Para celebrar junto aos participantes, alguns dos títulos dos 17 escritores envolvidos neste módulo estão disponíveis na BibliON, a biblioteca digital gratuita de São Paulo.  Todas as ações são abertas aos públicos e a programação completa pode ser encontrada aqui.O programa do Governo do Estado de São Paulo, por meio do SisEB (Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas), é realizado pela SP Leituras – Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura. Desde a sua criação em 2008, o Viagem Literária já percorreu 235 municípios paulistas com cerca de quatro mil ações. Contou com a participação de 294 convidados e impactou mais de 380 mil pessoas. Boa viagem!
Até breve!

Até breve!

A edição de 2023 do programa Viagem Literária terminou após quatro meses de intensa programação. A caminhada foi longa: mais de 17 mil quilômetros percorridos, passando por 72 bibliotecas de 71 cidades do Estado de São Paulo. Ao todo, foram realizadas 360 ações presenciais e online para um público de cerca de 16 mil pessoas. O ponto alto do projeto foi a participação de 18 grupos/contadores de histórias e 36 escritores, que compartilharam seus talentos e vivências literárias. Neste ano, o programa foi estruturado em três módulos, cada um oferecendo uma experiência única para os participantes. O primeiro abraçou a escrita criativa, com destaque para o ambiente de aprendizagem colaborativo, onde era possível compartilhar ideias, receber feedback dos autores e aprender novas técnicas e estilos. Foram 72 encontros virtuais, com 1.134 participantes, promovidos por um elenco de peso: Bruna Beber, Bruno Ribeiro, Edson Krenak, Flávio Cafieiro, Helo D’Angelo, Ilustralu, Márcio Vassallo, Michel Yakini-Iman, Neide Almeida, Plínio Camillo, Rafael Gallo, Reginaldo Pujol Filho, Roberto Ferreira, Sacolinha, Socorro Acioli, Stephanie Borges, Vanessa Passos e Wlange Keindé. O segundo módulo foi dedicado à contação de histórias, onde os profissionais convidados encantaram a plateia com brincadeiras, música e narrativas envolventes, despertando a imaginação e a paixão pela leitura. Foram 144 apresentações presenciais, dirigidas a mais de 12 mil pessoas, realizadas por um seleto time, composto por Ademir Apparício, Badaiá Arte, Camila Genaro, Cia. Bisclof, Cia. Koi, Cia. Malas Portam, Cia. Mapinguary, Cia. Pé do Ouvido, Cleber Fabiano, Cristino Wapichana, Drika Nunes, Ih, Contei!, Ivani Magalhães, Jô Jorvino, Mandingueiras da Pracinha, Mari Bigio, Sandra Guzmán & Cia. Rabo de Cutia e Tricotando Palavras. O terceiro módulo, Oficinas e Encontros com Escritores, permitiu um contato direto do público com grandes autores, como Aline Valek, André Dahmer, Cláudia Lemes, Estevão Azevedo, Fábio Kabral, Felipe Castilho, Ignácio de Loyola Brandão, Ilan Brenman, Joselia Aguiar, Julie Dorrico, Lúcia Hiratsuka, Luciene Vignoli Müller, Luiza Romão, Michel Yakini-Iman, Monique Malcher, Nina Rizzi, Rita Carelli e Sergio Rodrigues. As aulas e bate-papos presenciais sobre os processos e bastidores da criação literária resultaram em momentos de aproximidade e interação entre os autores e leitores e contaram com a presença de 3.445 pessoas. Ao longo de toda programação, o Viagem Literária celebrou não apenas a literatura brasileira contemporânea, dando luz a obras de vários escritores, mas também fortaleceu a importância das bibliotecas como espaços de encontro, aprendizado e diversidade cultural, deixando como legado a formação de novos leitores e escritores. O Viagem Literária é um programa do Governo do Estado de São Paulo, realizado por meio do SisEB (Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas), gerenciado pela SP Leituras – Associação Paulista de Bibliotecas e Leitura. Desde a sua criação em 2008, o programa já percorreu 235 municípios paulistas com mais de 3.600 ações. Contou com a participação de cerca de 300 grupos de contadores de histórias e escritores, e um público de mais de 381 mil pessoas.      
Memórias em cena

Memórias em cena

Fugir do lugar-comum e repensar as cenas do cotidiano com um olhar poético. Essa foi a proposta oficina de escrita criativa “Memórias em cena” da escritora, poeta, educadora e gestora cultural Neide Almeida, para a 16ª edição do programa Viagem Literária. Os encontros virtuais foram realizados de 27 a 30 de novembro, nas bibliotecas das cidades de Jundiaí, Várzea Paulista, Pirapora do Bom Jesus e São Paulo. A primeira atividade da turma foi descrever uma cena vivida ou simplesmente testemunhada. “A partir do conceito ‘escrevivência’, cunhado por Conceição Evaristo, a proposta é registrar por meio da escrita uma cena que tenha afetado os participantes para além de suas vivências individuais”, descreve Neide. O exercício consistia em narrar um acontecimento presenciado pelos participantes, mas com um olhar poético. “Ao usar uma outra lente para enxergar fatos corriqueiros conseguimos ver além do óbvio, isso é o que chamamos de memória poética.” A parte prática do encontro ficou por conta inicialmente da criação de uma legenda para a cena escolhida e posteriormente o desenvolvimento de uma pequena parte de uma história a partir do fragmento escolhido. Como inspiração para o grupo, a autora trouxe trechos de textos de memórias poéticas de autores como Carolina Maria de Jesus, Alberto da Costa e Silva, Zainne Lima da Silva, Ricardo Aleixo e da própria autora.   Neide Almeida é socióloga e especialista em Gestão Cultural e mestra em Linguística. Publicou o livro Nós: 20 poemas e uma Oferenda e tem publicado poemas e crônicas em revistas e antologias. Realiza cursos e eventos pela Fio.de.Contas Produções Culturais.